Parceria entre a FAAP e a Bienal de São Paulo abre espaço para artistas desenvolverem seus trabalhos na capital

Desde 2006, a Residência Artística FAAP também é conhecida como estúdio, casa e espaço de convivência entre artistas convidados pela Bienal de São Paulo. Naquele ano, as duas fundações estabeleceram uma parceria promissora que persiste até hoje. Ainda em 2018, o edifício Lutetia, sede da Residência no centro da capital paulista, servirá de morada e ateliê para oito novos artistas residentes, todos selecionados pela equipe curatorial da 33a Bienal. Eles vão desenvolver trabalhos inéditos e apresentá-los na mostra mais relevante do país, que acontece de 7 de setembro a 9 dezembro no parque Ibirapuera. “A parceria tem uma relevância significativa, é uma troca muito grande para todos os envolvidos, que podem conhecer novas ideias e processos de criação”, afirma o professor Marcos Moraes, coordenador da Residência Artística FAAP. Ao todo, mais de 40 artistas brasileiros e estrangeiros já passaram pelo edifício Lutetia a convite da Bienal.

Detalhe do trabalho exposto pela artista Léa Meier, da Suíça

O francês Tal Isaac Hadad e a brasileira radicada na Dinamarca Tamar Guimarães foram os primeiros convidados desta edição. Eles já ocupam parte dos espaços do edifício de 1920, desenhado pelo arquiteto Ramos de Azevedo, na Praça do Patriarca, e têm à disposição ateliês de 70 metros quadrados e 80 metros quadrados e apartamentos equipados. Em sua atividade inaugural na Residência Artística FAAP, em abril, os dois participaram do primeiro Open Studio do ano na companhia de outros artistas, professores e alunos de Artes Plásticas. O evento tem como objetivo incentivar a discussão sobre a produção artística dos residentes, trocar impressões e desenvolver pesquisas ligadas às suas áreas de atuação.

Ateliê da austríaca Ursula Gaisbauer

Na edição da Bienal deste ano, o tema escolhido é Afinidades Afetivas. De certa forma, representa algumas das motivações por trás da parceria com a FAAP e remete a um conceito contemporâneo: a necessidade de estreitar laços e ideias.