Pela terceira vez na FAAP, evento internacional What Design Can Do? reflete sobre os alcances que o design podem ter no mundo

Pela primeira vez sediada fora da Holanda, a conferência internacional What Design Can Do desembarcou em São Paulo para ser realizada em
parceria com a FAAP, em dezembro de 2015. O campus da Fundação, escolhido para oe vento, recebeu durante dois dias mais de mil pessoas interessadas em discutir o poder e a influência do design na sociedade contemporânea. “Não é uma conferência sobre design gráfico, arquitetura ou qualquer outra disciplina. É um congresso sobre atitude”, explica Richard van der Laken, fundador do evento.

As palestras, comandadas por profissionais de todo o mundo – entre jornalistas, estilistas, chefs e arquitetos –, mostraram como o design é capaz de ser um agente de transformação social. “Vi nos olhos da plateia o mesmo brilho que tive quando estive no Teatro Municipal de Amsterdã em 2014 e 2015”, comenta Bebel Abreu, sócia do estúdio Mandacaru e produtora executiva da edição brasileira. “O ponto alto da conferência é a troca.”

Em dezembro do ano passado, a FAAP sediou pela segunda vez o evento. “A Fundação é um espaço de criatividade, ligada com a sociedade e localizada no
coração da cidade. É isso o que procuramos”, conta o fundador do evento, Richard van der Laken. O evento lançou desafios de pesquisas e ações sobre violência contra a mulher e mudanças climáticas. “Design não se trata apenas de desenhar uma cadeira bonita. Ele pode ser também um instrumento de mudança social”, observa o arquiteto e palestrante Marco Brajovic.

O engajamento social é visto por Van der Laken como um traço marcante entre designers brasileiros. “Eles têm conexões fortes com a sociedade, sua cultura, sua origem e natureza.” Entre os colegas que mais admira, ele cita Adélia Borges, Elaine Ramos, os irmãos Campana, Marcelo Rosenbaum e Marcello Serpa. E, para quem quiser se arriscar nesse meio, o fundador do evento dá uma dica: “É preciso ser comprometido, curioso e gostar de se divertir”.

Nesta semana o evento volta para o Brasil e, mais uma vez, escolheu a Fundação para a programação semanal.

O que o design pode fazer?

Designers que participaram do congresso em edições passadas respondem à pergunta que dá nome ao evento.

“Um bom design pode ajudar ou encantar as pessoas. Em alguns casos, pode fazer as duas coisas.” Stefan Sagmeister, designer que criou capas de discos para
Lou Reed, Talking Heads e Rolling Stones e, atualmente, está à frente do projeto The Happy Film, em que busca explicar por que as pessoas são felizes ou o que realmente é a felicidade.

“Barulho. Designers podem – e devem – exercer um importante papel como provocadores sociais, não se limitando a operar apenas como funcionários da indústria do consumo.” Fabio Lopez, designer criador das paródias War in Rio, Bando Imobiliário Carioca e Batalha na Vala, plataformas sobre a violência urbana no Rio de Janeiro.