O curso de administração olha para as transformações do mundo e as que estão por vir para formar profissionais de destaque nas mais diversas áreas, como comprovam os ex- alunos Joseph Teperman, David Worcman, Pamela Borges e Priscila Quirós

O megaempresário Abilio Diniz, ex-proprietário do Pão de Açúcar, hoje presidente do Conselho de Administração da BRF Foods e sócio da rede francesa Carrefour, costuma dizer que gestão é algo bem simples: “processos e pessoas”. Faz esta afirmação com a autoridade de quem construiu um império. “Processos bem azeitados, pessoas nos lugares certos.” Se, por um lado, há verdade no que diz Abilio, por outro é inegável que gerir está ficando cada vez mais complicado. As tecnologias influenciam os processos, a globalização tumultua as decisões, a sociedade do conhecimento soterra as pessoas em nuvens difusas de informação.

Em sintonia com o que há de mais atual em Administração, o curso da FAAP está falando, e muito, em futuro. “Queremos que nosso aluno desenvolva um comportamento investigativo, quase como se fosse uma segunda natureza”, explica o diretor. “Quem se habitua a olhar para o futuro enxerga mais oportunidades.” Além desse conteúdo, os alunos encontram no novo projeto do curso uma disciplina chamada A Empresa e o Futuro, na qual são provocados a formular hipóteses sobre como será a vida empresarial nas próximas… décadas. Mas não há nada de adivinhação nisso: o que há, isso sim, são modelos estatísticos capazes de prever demandas. “Oferecemos muitas ferramentas para que os alunos sejam capazes de tomar decisões acertadas em vários cenários possíveis”, diz o coordenador do curso, Bruno Alvarez.

Também formado em Administração na FAAP, Bruno faz parte do grupo Jovens Professores, que reúne ex-alunos da Fundação com a missão de implantar ideias afinadas com as mudanças pelas quais o mundo passa – o que garante aos cursos frescor e inovação sempre presentes. Uma das ferramentas a que ele se refere está aninhada nas disciplinas Simulação de Negócios e Simulação Avançada de Negócios, oferecidas em dois semestres. Ministrada por meio de um software, ela “entrega” aos alunos empresas virtuais que precisam dar lucro em um ambiente de negócios formatado pelo professor. “É preciso tomar decisões, como lançar ou não um novo produto, contratar ou demitir, aumentar ou não a produção. O desempenho da ‘empresa’ determina a nota”, explica Silvye Ane Massaini, ex-aluna, hoje também parte do grupo Jovens Professores e coordenadora da pós-graduação –  sob sua gestão, está, inclusive, o novo MBA da Administração da FAAP

FAÇA VOCÊ MESMO

O curso de ADM, como é chamado pelos alunos, começou em 1973 e já formou cerca de 14 mil alunos – entre eles, Sergio Herz, CEO da Livraria Cultura, e Ana Luiza Trajano, chef do premiado restaurante Brasil a Gosto. Tradicional na FAAP, a ADM foi construída para formar sucessores e empreendedores. “Era o que eu buscava: um estudo muito focado na prática. Escolhi a FAAP a dedo”, conta a ex-aluna Pamela Borges, cuja família, na época, tinha uma transportadora. No entanto, Pamela mergulhou de cabeça no universo da auditoria: no último semestre do curso, foi trabalhar na Ernest Young, uma das maiores empresas contábeis do mundo. Depois de três anos e meio, migrou para uma empresa menor, a Grant Thornton, para desenvolver a área de planejamento tributário para pessoas físicas e expatriados. Quando o grupo empresarial do qual a Grant fazia parte foi vendido, Pamela bateu à porta da matriz e pediu para manter a marca no Brasil. Não apenas foi atendida, como ainda levou consigo toda a carteira de clientes de sua linha de negócios. Hoje ela é diretora de Global Mobility Services. “Na FAAP aprendi que no mundo corporativo tudo conta: a forma como nos portamos, nos apresentamos, nos impomos.”

O mundo corporativo, aliás, é presença marcante no principal evento da ADM da FAAP: a Semana de Administração. As jornadas acontecem duas vezes ao ano e oferecem aos alunos palestras com personalidades como o próprio Abilio Diniz, Cláudia Sender, presidente da TAM, Flávio Rocha, presidente da Riachuelo, debatendo temas instigantes como formas de empreender dentro de uma grande empresa – outro foco de atenção permanente no curso. O intraempreendedorismo está na raiz do sucesso empresarial do ex-aluno Joseph Teperman. Quando surgiu a oportunidade de se juntar à Michael Page, companhia internacional de recursos humanos, perguntou-se: seria possível empreender ali? Logo descobriu que sim. “Procuravam justamente alguém com espírito empreendedor para levar a empresa a outro patamar”, conta. Depois de seis anos, Joseph saiu para montar a própria consultoria, a Flow, firmando-se como headhunter de executivos, e hoje está à frente de sua segunda companhia, a Inniti. “Quando tive que montar um negócio e pensar em todos os sistemas, entendi por que fiz FAAP”, conta ele.

Oferecemos muitas ferramentas para que os alunos sejam capazes de tomar decisões acertadas em vários cenários possíveis –  Bruno alvarez, ex-aluno, hoje coordenador do curso

Com o objetivo de aproximar os alunos de situações reais, a FAAP também organiza visitas a grandes empresas, como Natura, PayPal, KPMG e Nestlé. As inscrições são on-line e concorridíssimas. “Isso tudo enriquece a experiência do aluno e o prepara para o futuro”, conta Rafael Possik, professor da disciplina de Agronegócio e presidente da Associação de Ex-Alunos. Algumas dessas visitas acontecem inclusive em outros países – caso da missão estudantil para o Japão, onde alunos puderam conhecer de perto grandes companhias, como a Toyota e Hitachi. A Jr. FAAP Consulting, empresa júnior da FAAP, é outro ponto de contato com a realidade: oferece consultoria a pequenas empresas que compartilham seus dilemas com os alunos. “Lá, comecei como consultora, passei a diretora financeira e cheguei à presidência”, conta Anne Beatrice Drewes, recém-formada. “Essa experiência me preparou muito bem para um estágio de férias que fiz no 6o semestre em uma indústria de prensas na Alemanha.” O estágio foi conquistado por meio da rede de relacionamentos do pai de Anne, mas a tranquilidade com que ela percorreu diversas áreas da empresa alemã veio mesmo da FAAP. “Eu sabia muita teoria e tinha a experiência prática da Jr. FAAP. Cheguei até a ajudar a empresa alemã em algumas negociações com o Brasil.”

INOVAÇÃO NO CURRÍCULO

O peso da tradição não impede que o curso de ADM se mantenha em constante transformação. O currículo iniciado em 2012 está cedendo lugar desde o segundo semestre de 2016 a um novo projeto curricular mais dinâmico e repleto de inovações. “O mundo da administração mudou muito em quatro anos”, diz Bruno. “Quando eu me formei, em 2005, não se estudavam as mídias sociais. Hoje é impossível ignorá-las em sala de aula. Até recentemente, produtividade era um assunto-chave em administração. Com a globalização, a logística é que ganhou importância”, explica o coordenador.

Este novo currículo traz mais disciplinas eletivas para que o aluno possa conduzir seu aprendizado na direção de seus interesses. Algumas serão ministradas em inglês, por professores brasileiros – entre elas Marketing Internacional e Direito Internacional. “Hoje, o curso está mais flexível, dinâmico, multidisciplinar e prático”, observa a professora Silvye Ane. “Isso ocorre porque a nossa faculdade procura entender  as demandas, internas e do mercado, permitindo que o aluno atue em um mercado globalizado, enfrentando também os desafios de um processo de desglobalização”, complementa o coordenador Bruno. O mais recente passo disruptivo – uma palavra cada vez mais em voga no universo da administração – foi oferecer no curso uma disciplina a distância: no segundo semestre de 2016, o Laboratório de Comunicação foi ministrado totalmente on-line.

Capacidade de lidar com incertezas é essencial: amanhã pode surgir alguém capaz de demolir o meu negócio e terei que estar pronto para repensar tudo – Marcelo Cardoso, CEO global da Metaintegral Associates

Outo diferencial é o Centro de Empreendedorismo. Abrigado na ADM, mas aberto a alunos e ex-alunos de toda a FAAP, ele funciona como um polo de conexão entre empresários, consultorias, aceleradoras e incubadoras. Promove mais de 40 eventos por ano – em várias palestras, por exemplo, os alunos têm contato com profissionais envolvidos em novos modelos de negócios, como os gestores do Cubo e do aplicativo Easy Taxi. O principal evento é o Empreenda FAAP, um concurso anual, realizado em parceria com o Sebrae-SP, que oferece mentoria de um ano aos três primeiros colocados. “Mas, na prática, eles sabem que podem nos procurar quando quiserem. No ecossistema empreendedor, todos se ajudam e todos se beneficiam”, afirma Alessandra Andrade, coordenadora do Centro de Empreendedorismo.

Foi nas aulas da ADM que a ex-aluna Priscila Quirós percebeu e desenvolveu um lado empreendedor forte. “Os professores me instigavam muito”, conta ela. A vontade de empreender havia, mas em que área? Um e-mail de um tio solucionou o dilema. Esse tio, que vivia em Oviedo, no norte da Espanha, comunicava à família que os Quirós espanhóis estavam celebrando cem anos da criação de cordeiros. Priscila enxergou ali uma oportunidade. “A ovinocultura estava crescendo no Brasil, mas era pouco explorada. A carne consumida aqui vinha do Uruguai e havia carência no mercado brasileiro”, conta. Priscila bebeu na fonte da família e decidiu investir no mercado de carne de cordeiro do Brasil. Montou um plano de negócios inspirado no que produziu para o TCC, convenceu três investidores a entrar no projeto e lançou-se no mercado. Hoje sua empresa, a Quirós Gourmet, comercializa também azeites especiais e acessórios, como facas de churrasco.  

VOZES DO MERCADO

Outro pilar da FAAP respeitado à risca diz respeito à formação humanista dos seus alunos. Ele está presente na oferta de disciplinas e, naturalmente, na escolha dos profissionais que transmitem a mensagem aos alunos. A ex-aluna e também integrante do grupo Jovens Professores Vanessa Cepellos conduz as disciplinas Teoria das Organizações e Gestão de Pessoas. Ela leva para a sala de aula as conclusões de seus estudos acadêmicos – especialmente da tese de doutorado, sobre o envelhecimento de executivas, em que relata a angústia e a exclusão das mulheres que chegam ao poder. “Porém, amplio o debate sobre a exclusão trazendo a questão intergeracional. Meu foco é contribuir para a construção de organizações em que cada pessoa valorize o outro e aprenda com a experiência alheia”, observa. “Para ser um bom administrador, é preciso se interessar pelas pessoas e gostar de gente”, concorda David Worcman, ex-aluno que enveredou pelo ramo da aviação executiva e hoje é head of sales da Avantto, empresa de gestão, venda e compartilhamento de aeronaves – tem 62, entre jatos e helicópteros, que atendem a cerca de 400 usuários. Formado em 1999, envolveu-se desde cedo com aviação civil, afastando-se do negócio familiar – uma rede de varejo. O segmento em que David trabalha ameaçou tossir em meio à crise – mas, em vez de se abater, David acelerou: “Para muitos empresários, sustentar uma aeronave ficou caro. Então, nos oferecemos para incluir suas aeronaves em nossa rede de compartilhamento”. Nos últimos anos, o negócio vem crescendo entre 10% e 15% ao ano. “A FAAP foi o curso perfeito. Além do preparo excelente, tem um manancial inesgotável de networking.”

O networking segue vivo mesmo depois do diploma. David faz parte do Conselho Consultivo do curso de Administração, órgão que se reúne de três a quatro vezes ao ano e congrega professores, gestores do curso e ex-alunos. “Levamos a voz do mercado para a FAAP e voltamos ao mercado revigorados pela visão humanista do curso.”

Joseph Teperman, 37 anos

Onde trabalha_na própria empresa, a Inniti, especializada em recrutamento de altos executivos

Uma dica_ “Saber a  importância e o valor de dizer ‘não’ ao perceber que o cliente pode não ter avaliado corretamente o impacto de suas decisões. Às vezes, é melhor negar-se a realizar um trabalho do que fazê-lo correndo o risco de que dê errado rapidamente.”

PAMELA BORGES, 34 anos

Onde trabalha_ na Grant Thornton, empresa internacional da área contábil

Uma dica_ “Mesmo em uma corporação, é preciso ter autonomia. Só assim é possível enxergar com mais clareza a necessidade do cliente e entregar resultados melhores.”

DAVID WORCMAN, 44 anos

Onde trabalha_ na Avantto, empresa de compartilhamento de aeronaves

Uma dica_ “Errar faz parte. Todo mundo que tem um desafio muito grande já fracassou pelo menos uma vez, especialmente quando quer fazer inovação. O lado bom é que, quando se acerta, é golaço.”

PRISCILA QUIRÓS, 29 anos

Onde trabalha_ na própria empresa, a Quirós Gourmet, que cria cordeiros de maneira “verde” e abastece vários dos melhores restaurantes do Brasil, como os da rede Fasano e o Arturito

Uma dica_ “Inteligência emocional é uma grande alavanca para o sucesso. Meu conselho é: procure se conhecer cada vez melhor. Ninguém consegue segurar a pessoa que sabe quem é e que constrói seu sonho em cima desse conhecimento, alinhando sua busca e seu propósito”

A ERA DA INCERTEZA
AUTOCONHECIMENTO E SABER CONVIVER COM A VOLATILIDADE SÃO FUNDAMENTAIS PARA AVANÇAR NA ÁREA, DIZ O CEO MARCELO CARDOSO

Marcelo Cardoso ocupou um punhado de cargos de alta gestão em empresas como Método Engenharia, GP Investimentos – onde coordenou a implantação do parque Hopi Hari, no interior paulista, Natura e Grupo Fleury. Hoje é CEO global da Metaintegral Associates e ajuda as empresas a evoluir em suas formas de gestão. Para ele, autoconhecimento e capacidade de lidar com a volatilidade serão a chave para administrar com sucesso nos próximos anos.

Qual será o maior desafio para um administrador nos próximos anos?
Gerir em ambiente de muita volatilidade. O exército americano cunhou uma expressão para descrever o atual momento e que vale também para o ambiente das organizações: Vuca, sigla para volatilidade, incerteza (em inglês, uncertainty), complexidade e ambiguidade.

Já existe um sistema capaz de dar conta desse cenário?
O modelo de gestão dinâmica é o mais promissor. A organização ainda terá uma direção, mas operará de maneira diferente. Algo como ir de bicicleta para o Parque Ibirapuera: a pessoa sabe aonde quer chegar, mas talvez faça sol e seja preciso parar um pouco; talvez seja preciso mudar o trajeto porque há uma interdição. Em meus últimos trabalhos, venho construindo direções para organizações a partir desse olhar.

Que qualidades serão necessárias para administrar com sucesso?
Muitos de nós aprendemos a pensar linearmente. Será preciso ensinar a lidar com a complexidade e a conviver com paradoxos. Não existe mais certo ou errado: existirão, cada vez mais, pares de opostos que precisarão ser sustentados, não resolvidos. Capacidade de lidar com incertezas é essencial: amanhã pode surgir alguém capaz de demolir o meu negócio e terei que estar pronto para repensar tudo. Investir em autoconhecimento, fazer leituras e viagens fora do óbvio, falar com pessoas com quem você não falaria habitualmente: tudo isso ajuda a desenvolver um jeito próprio de pensar, que será valioso no futuro.

MBA EM NOVA VERSÃO
CURSO REFORMULADO TEM MAIS FOCO EM DECISÕES ESTRATÉGICAS

A Fundação passa a oferecer neste semestre seu MBA em Gestão Estratégica de Negócios totalmente reformulado. “O foco está na tomada de decisões estratégicas e na visão de futuro”, explica Silvye Ane Massaini, coordenadora de pós-graduação. “O curso aborda temas de diversas áreas, como finanças, marketing e gestão de pessoas, mas o destaque fica por conta de sua estrutura relacional. Trabalhamos em quatro frentes: as habilidades do indivíduo, a empresa, o ambiente de negócios e o ambiente de valor.” Criado em paralelo ao novo currículo da graduação, o curso traz uma carga de 480 horas/aula – terá aulas duas vezes por semana e um sábado por mês – e é voltado preferencialmente para profissionais entre 25 e 35 anos que ocupam cargos de gestão em diferentes áreas.

Saiba mais no mba.faap.br