É a pluralidade que faz do campus da FAAP, em todos esses anos, um lugar privilegiado tanto para estudantes, como para todos aqueles que vivenciam o dia a dia dessa Instituição

Em 1947 o Conde Armando Alvares Penteado concebe aquilo que seria o seu sólido legado: deixou parte de seu patrimônio para a criação de um museu e de uma escola de Belas Artes. O imponente “Prédio 1”, como é conhecido por alunos, professores e funcionários dentro da cartografia da Instituição levou ainda quase vinte anos para ser finalizado e finalmente ceder lugar ao curso de Artes. No entanto, nesse interim, o espaço recebeu, além de diversos cursos livres, importantes personalidades do cenário cultural brasileiro, como Flávio Motta, Caciporé Torres, Flávio Império e Carmela Gross. Mais tarde, com o prédio já inaugurado, passaram por lá figuras como Regina Silveira, Walter Zanini, Nelson Leirner, além de Lasar Segall e Candido Portinari, Tarsila do Amaral e Claudia Andujar, que assinam alguns dos nossos cartões postais: os vitrais e as pinturas de cipós, situados também no prédio inaugural.

Para além do desejo do Conde de que aqui se criasse uma escola voltada para as artes, por iniciativa da então presidente, Lucia Scarpa Comenale Pinto de Souza, a Faap expandiu seus horizontes. Com o intuito de ser uma instituição atuante no universo da educação, fundou os cursos de Artes (este, em especial, deixa de ser uma escola e passa a ser uma Faculdade, composta por outros cursos tais como Arquitetura e Design), bem como os cursos de Engenharia, Comunicação, Economia e Administração.

O Museu de Arte Brasileira, com seu acervo digno de nota, e o Colégio FAAP foram ainda obras de peso surgidas nesse período. Devemos, ainda, ao espírito empreendedor de sua filha e atual presidente do Conselho de Curadores, Celita Procopio de Carvalho, a criação do nosso curso de Direito.

É essa pluralidade e diversidade que fazem do campus da FAAP, em todos esses anos, um lugar privilegiado tanto para estudantes – dentre eles, brasileiros de todo o país e estrangeiros de todo o mundo – como para todos aqueles que vivenciam o dia a dia dessa Instituição em todos os seus campi: em São Paulo, em São José dos Campos e Ribeirão Preto.

Não menos importante, por fim, vale destacar que a Fundação conta ainda com um Teatro, oficialmente inaugurado em 1975, e por onde passaram grandes nomes do mundo das artes cênicas, como o antológico Paulo Autran e a inesquecível diva, Marília Pera.

FAAP, horizontes abertos.