Professores indicam obras que têm a música como pano de fundo

Música & direito: uma metáfora, de Mônica Sette Lopes. 2018

“Entre os especialistas em Direito, comparar a compreensão de textos jurídicos e a interpretação de partituras musicais não é um tema inusitado. No entanto, o que a desembargadora Mônica Lopes propõe em seu livro é um enfoque peculiar: a partir de sua experiência com o programa Direito é música, transmitido pela rádio UFMG desde 2007, são identificados curiosos paralelos entre a história do Direito e algumas etapas da história da música ocidental (Barroco, Classicismo etc.). O livro é ainda acompanhado de um CD, que estimula a percepção do leitor-ouvinte para o papel do tempo e da simbolização na determinação do Direito.”

Carlos Eduardo Batalha, professor do curso de Direito

What happend, miss Simone?, de Liz Garbus. 2015

“Com uma abordagem particular, o documentário nos revela uma face pouco explorada da obra de Nina Simone: sua música enquanto experiência de resistência diária e possibilidade de construção de uma identidade. Por meio de arquivos inéditos e gravações raras, o filme expõe um quadro mais amplo – do Movimento dos Direitos Civis, os Panteras Negras, o machismo, a mulher negra, a industrialização e a transformação no padrão de consumo de negros e brancos –, que a cantora entoa seu jazz, enquanto possibilidade de construção de si em um mundo em transe.”

Mariana Setubal, professora da área de Comunicação e Marketing

Work in Progress, de Diego de Godoy. 2018

A série Work in Progress, exibida pelo canal Arte 1, fala sobre a Orquestra Filarmônica do Estado de São Paulo, a Osesp. A série se divide em cinco episódios, privilegiando em cada um deles os naipes da orquestra (cordas, madeiras, metais e percussão), além da regência. Essa divisão é interessante, porque dá uma compreensão mínima sobre os instrumentos da orquestra e mostra o trabalho (talvez pouco conhecido) de músicos e regentes em um conjunto de nível internacional. O expectador acompanha os ensaios de uma obra tardia de Strauss e, a cada episódio, a série mostra como a própria Osesp foi construída e reconstruída nos últimos 40 anos.”

Viviane Franco de Oliveira,  professora do curso de Administração