Formado em Administração, Lucas Mancilio Marcante fez um experiência pessoal se transformar numa oportunidade de negócio

Lucas Mancilio Marcante disparou seu currículo para várias vagas de estágio na área de empreendedorismo. Por muito tempo, nenhuma resposta chegou. O jovem possui uma deficiência auditiva leve, e isso constava em seu currículo. Até que ele decidiu fazer um teste: tirar a informação e enviar novamente para as mesmas empresas. O resultado? Rapidamente, convites para entrevistas passaram a aparecer em sua caixa de e-mails.

A experiência, que aconteceu enquanto Lucas cursava Administração na FAAP, foi o ponto de partida para um projeto que mais tarde viria a ser o tema de seu TCC: a criação de uma plataforma on-line para incluir pessoas com deficiência no mercado de trabalho. “No Brasil, a lei de cotas para deficientes em empresas garante as contratações. Mas percebi que, muitas vezes, os candidatos acabam sendo direcionados para vagas muito aquém de suas capacidades”, diz.

Veia empreendedora

O que, a princípio, era para ele só mais um trabalho resultou na inscrição para a primeira edição do Concurso Empreenda FAAP – e na conquista do 3o lugar entre pelo menos 50 inscritos. “O maior desafio na competição foi apresentar a ideia em apenas três minutos”, relembra. “Ter a oportunidade de participar do Empreenda FAAP foi uma das melhores experiências que tive durante a faculdade. Senti que realmente estava criando algo de valor, ao mesmo tempo em que conseguia desenvolver habilidades que usarei durante a vida toda, como comunicação e persistência”, conta. Para ele, também foi importante para perceber que havia novos desafios pela frente e que, no Brasil, ainda existem muitos questionamentos em relação a ideias de cunho social.

Com isso em mente, ele foi estudar seis meses na Alemanha e passou a observar como ideias parecidas com a sua eram implementadas por lá. “Descobri que existe uma lei válida para toda a União Europeia que destina cotas de emprego para pessoas com deficiência e que há muitas ONGs que realizam esse trabalho gratuitamente. Percebi que este poderia ser meu maior obstáculo: como aumentar meu valor a ponto de as empresas preferirem o meu serviço ao que era oferecido sem custo?”

Quando voltou ao Brasil, essa e outras tantas perguntas passaram a fazer parte do seu dia a dia, durante o processo de produção do seu TCC. Sob orientação do coordenador do curso de Administração, Bruno Alvarez, o aluno debruçou-se em pesquisas de mercado complexas e estudos para comprovar que o seu plano era escalável e poderia trazer um retorno financeiro dentro de três anos.

“O plano desenvolvido pelo Lucas tem um valor altíssimo, tanto do ponto de vista dos negócios, quanto do social”, afirma Bruno. “Ele não é só viável financeiramente, mas também vai ao encontro de uma necessidade. As empresas precisam atender à lei e também querem encontrar bons perfis para as suas vagas.”

Mas, para o professor, o valor do projeto de Lucas é ainda maior: “Ele teve de enfrentar uma situação difícil e conseguiu perceber nela uma oportunidade de negócio. Transformar dificuldade em oportunidade é muito raro”, diz.

Atualmente, Lucas está trabalhando em uma empresa de engenharia como auxiliar administrativo. Mas continua a analisar as possibilidades para colocar a sua plataforma no ar, dentro ou fora do Brasil. “Empreender é ter um objetivo e descobrir meios de quebrar barreiras para chegar lá. E foi isso que aconteceu durante a minha trajetória na FAAP”, finaliza.