Conheça os alunos que realizam o Fórum Faap, evento que chega a sua 12ª edição em abril

De 20 a 23 de abril aconteceu mais uma edição do Fórum FAAP de Discussão Estudantil, versão simulada de organismos, como Assembleia Geral da ONU e Conselho de Segurança, voltada para alunos do Ensino Médio. “É estimulante ver a participação dos estudantes, usando trajes típicos de cada país, incorporando o papel de diplomatas e embaixadores”, diz Luiz Alberto Machado, vice-diretor do curso de Economia e idealizador do Fórum em São Paulo. A organização do evento fica toda por conta dos alunos da FAAP, a maioria deles do curso de Relações Internacionais, mas conta com a colaboração de estudantes de outras faculdades. Eles são responsáveis pela preparação do material acadêmico, pela logística e orçamento do Fórum, pela obtenção de patrocínio e também pelo relacionamento com as escolas, onde ministram workshops e preparam guias de estudos para os participantes. “Esses estudantes desenvolvem habilidades que muitas vezes não são possíveis trabalhar dentro da sala de aula, como liderança, capacidade de gestão de problemas e trabalho em equipe”, conta Igor Alves, professor do curso de R.I. Há 12 anos no calendário, o Fórum já virou referência – seu modelo foi disseminado em outros colégios, que criaram o seu próprio evento interno. “Isso é fantástico. A educação tem de caminhar para isto: deixar o aluno como protagonista do aprendizado”, finaliza Machado. Conheça alguns alunos que fazem o Fórum FAAP acontecer.

Alunos durante simulação do Fórum FAAP

“O Fórum não acontece somente durante os quatro dias. Ele é um trabalho que leva o ano todo. A gente é responsável pela divulgação, pela elaboração dos guias de estudo e também pelo relacionamento com as escolas. Considero um investimento na minha carreira – tenho o desejo de ser professora.”

Carolina Andresosi, 19 anos, 5o semestre de R.I., secretária-Geral Acadêmica do evento

“Me interesso por Relações Internacionais e integrar o Fórum é uma oportunidade de conhecer mais sobre o tema. A experiência é importante, porque tenho de exercer o papel de mediador e conciliador das discussões. Isso para um advogado é fundamental.”

Gabriel Araujo, 19 anos, 5o semestre de Direito, diretor da Corte Interamericana de Direitos Humanos

“Quando entrei na FAAP em Desenho Industrial, mesmo sendo uma área distante de R.I., quis me envolver com o Fórum, já que minha experiência ainda na escola tinha sido ótima. O aprendizado durante o processo é intenso e vai fazer diferença no meu currículo, pela parte cultural, principalmente.”

Tatiana Pilnik, 19 anos, 3o semestre de Desenho Industrial, diretora do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente

PROJETO DA CAPA


LÓGICA EM DETALHES

Para seu projeto de conclusão de curso, o estudante de Engenharia Elétrica David Bichir, 23 anos, criou um pequeno robô autônomo que funciona através da lógica fuzzy – ou lógica difusa. “Essa tecnologia tem o objetivo de se aproximar da linguagem humana. Ela tenta recriar nosso comportamento nas máquinas, levar nossa inteligência e sensibilidade para elas”, explica. Para estudar a lógica, David fez diversos testes em um robô, que, através de sensores, teria que se movimentar sozinho sem causar colisões, mantendo velocidades constantes. Deu certo: ele fez o percurso programado no tempo certo, sem acidentes. “Estudar a lógica fuzzy é importante para qualquer engenheiro elétrico, por ser usada em diversas áreas industriais e até mesmo na medicina [por exemplo, em instrumentos que auxiliam em cirurgias – caso do braço robótico, que é capaz de manusear um bisturi com exatidão]. Através dela, podemos ser mais precisos. E isso é valioso” (leia mais na pág. 32).