Da faculdade de Economia à presidência da Associação Brasileira de Fotógrafos, Cristiano Burmester tem a fotografia como sua paixão

Cristiano Burmester sempre gostou de fotografia. Aos 12 anos, pediu para os seus pais uma câmera à prova d’água para registrar a vida marinha, de tanto que gostava de mergulhar – e fotografar. E nunca parou. Hoje, aos 46, ele ocupa pelo terceiro mandato consecutivo a presidência da Associação Brasileira dos Fotógrafos e coleciona uma dezena de prêmios, como o Prêmio Mundial de Fotografia, da Nikon, de 2002, e As Melhores Fotos da National Geographic Brasil, de 2011.

Apesar de sua paixão precoce pela fotografia, quando chegou a hora do vestibular, Cristiano decidiu cursar Economia na FAAP, em 1990. Nessa época, ele até já trabalhava com fotografia, publicando seu material em  veículos como Caminhos da Terra e Viagem e Turismo. “Eu queria seguir fotografando, mas achei bom estudar. Só que naquele tempo não havia oferta de cursos nessa área. Por isso decidi investir em uma carreira complementar”, conta. “E foi ótimo. A faculdade me deu visão de negócio, voltada para o empreendedorismo. Me ajudou muito na minha carreira saber lidar com o cliente, ouvir o que ele precisava e atendê-lo”, afirma.

Desde a formatura da FAAP, Cristiano continuou se dedicando aos estudos – fez mestrado, doutorado e pós-doutorado em comunicação e fotografia – e à fotografia em si, fazendo publicidade e publicação de livros. “No meu trabalho de fotógrafo autoral, me interessa muito a relação do homem com a natureza.”

Cristiano já apresentou seu trabalho em diversas exposições, como a da Bienal de Arte Contemporânea Internacional do México, e organizou várias mostras, como a Fotografia publicitária brasileira, que reuniu fotos de 80 profissionais da área, desde os anos 1950 até os dias atuais, e que teve curadoria do professor e pesquisador de fotografia Rubens Fernandes Junior, diretor da Faculdade de Comunicação e Marketing.

01_FUNDO INFINITO

“É fundamental para que o modelo possa ser fotografado sem elementos de interferência, como linhas, cantos etc.”

02_ILUMINAÇÃO

“Com esses equipamentos, posso construir imagens com conceitos de claro, escuro, contraste e brilho variados.”

03_TRÊS TABELAS

“Uso para servir de apoio de equipamentos e como cenário. O modelo também pode sentar nele, subir, encostar…”

04_ TRIPÉ

“Dá firmeza no momento da foto, o que resulta em nitidez e num retrato melhor.”

05_NOTEBOOK

“Recorro a ele para checar as fotos produzidas em tempo real e para fazer backup das fotos durante a produção ou edição.”

06_CAIXA ESTANQUE

“Uso obrigatório para acomodar a câmera em fotos subaquáticas e fazer os registros debaixo d’água.”