Há oito anos, a FAAP recebeu o cineasta Oliver Stone, que escolheu a fundação para realizar pré-estreia e debate sobre o documentário ao sul da fronteira

Em maio de 2010, a FAAP recepcionou o cineasta norte-americano Oliver Stone, que viajava à época pela América Latina para divulgar o lançamento do documentário Ao sul da fronteira (2009), sobre o avanço das forças políticas de esquerda na região. Stone escolheu especialmente a FAAP para realizar a exibição de seu longa-metragem no Brasil e participar de um debate com alunos, professores e convidados. “A Fundação recebeu um comunicado da equipe dele, dizendo que o diretor tinha interesse em divulgar o filme aqui. A partir daí, nos organizamos para que o evento acontecesse”, lembra o professor Rubens Fernandes Junior, diretor da Faculdade de Comunicação e Marketing da FAAP.

Sua visita, porém, foi marcada por contratempos: sem o visto de entrada no país, a equipe do cineasta ficou retida pela Polícia Federal no Aeroporto Internacional de Guarulhos até que fosse providenciada a aprovação de visto condicional. Tal incidente retardou a chegada dele, prevista para o início da tarde, o que inviabilizou a realização da entrevista coletiva com a imprensa. O atraso, porém, não comprometeu seu encontro com os estudantes e convidados, que o aguardaram até a noite. “Foi um dia tenso, tivemos que ter muita tolerância, mas no final deu certo. Foi uma experiência inesquecível”, diz Rubens.

Oliver Stone compareceu por volta das 22h30, logo após o público ter assistido à pré-estreia do documentário. “Me perdoem a falta de respeito, mas houve muitos problemas. No entanto, fiz questão de vir até aqui e quero saber se vocês gostaram do filme ou não”, disse o norte-americano, acompanhado pelo corroteirista Mark Weisbrot e pelo produtor do longa, Fernando Sulichin. “Foi uma vivência muito legal para os alunos de Cinema. Apesar de todos os contratempos, pudemos trocar ideias com ele sobre o filme”, relembra Gabriela Corbisier Tessitore, professora da Faculdade de Comunicação e Marketing.

O documentário Ao sul da fronteira retrata o universo político e social da América Latina, com a ascensão de seus presidentes de esquerda, abrindo espaço para os latino-americanos expressarem um ponto de vista diferenciado da visão norte-americana.

Sua vinda foi muito importante para a FAAP, porque Oliver Stone escolheu especialmente a Fundação para fazer a divulgação de seu filme. Isso é fruto de um trabalho intenso que nós estamos fazendo nas últimas décadas para colocar o curso de Cinema da FAAP dentro de um cenário mais amplo –  Rubens Fernandes Junior, diretor da Faculdade de Comunicação e Marketing

Após o debate, um coquetel de confraternização reuniu personalidades a exemplo do produtor de cinema Luiz Carlos Barreto e seu filho, o diretor Bruno Barreto, o diretor da distribuidora Europa Filmes, Wilson Feitosa, o escritor e jornalista Fernando Morais, a cineasta e ex-aluna da FAAP Laís Bodanzky, o embaixador da Venezuela no Brasil, Maximilien Arvelaiz, entre outros.

Diretor de filmes como O expresso da meia-noite (1978), JFK – A pergunta que não quer calar (1991), e Assassinos por natureza (1994), Stone recebeu o Oscar de melhor diretor por Platoon (1986) e Nascido em 4 de julho (1989), além de vencer cinco Globos de Ouro, três deles na categoria de direção e dois por melhor roteiro. “Sua vinda foi muito importante para a FAAP porque, independentemente de suas preferências ideológicas, Oliver Stone escolheu especialmente a Fundação para fazer a divulgação de seu filme. Isso é fruto de um trabalho intenso que estamos fazendo nas últimas décadas para colocar o curso de Cinema da FAAP dentro de um cenário mais amplo. A escolha dele foi um reconhecimento desse trabalho”, finaliza o professor Rubens.