Um dos fundadores do coletivo de arquitetos, ele construiu na FAAP amizades que se desdobraram em parcerias profissonais – até um professor se unuiu a ele em projetos

Em 1997, a família de Guile Amadeu decidiu contratar uma arquiteta para reformar a casa. Aos 15 anos, encantado com os desenhos, plantas e projetos, ele fazia questão de participar de todas as reuniões. Foi a confirmação que Guile precisava para, dois anos mais tarde, prestar vestibular para Arquitetura. “A FAAP foi fundamental para minha vida profissional ter o desenho que tem hoje, porque me incentivou a empreender e me deu parceiros em quase todas as áreas da arquitetura”, explica ele. Guile é sócio do Coletivo de Arquitetos, ao lado de Rodrigo Lacerda, também formado pela FAAP. Além disso, ele tem diversos projetos espalhados pelo Brasil – um deles é desenvolvido, inclusive, com um ex-professor.

O trabalho de Guile e do Coletivo não se restringe a casas de luxo e prédios comerciais: além da parte de interiores, como a do badalado restaurante Tanit, em São Paulo, ele se dedica também ao urbanismo e à reurbanização de áreas públicas. “Atualmente, tenho me dedicado bastante à reurbanização da orla do rio Cotiguiba, em Laranjeiras [no Sergipe], em que o Coletivo é corresponsável da obra”, diz.

O gosto pela parte macro da arquitetura veio da sua experiência em Barcelona, onde Guile trabalhou e estudou entre 2004 e 2008. Ali, logo na primeira noite, andando pelas ruas da cidade, descobriu as padronagens das calçadas e entendeu que, quando todos os elementos arquitetônicos estão em harmonia, a vida dos habitantes é afetada positivamente. “Foi Barcelona que despertou em mim o olhar que tento colocar nos projetos urbanísticos do Coletivo. A gente vivencia a cidade aqui em São Paulo de uma maneira muito distante. A rua tem que te atrair pra passear nela.”

Rodrigo Lacerda Formado pela FAAP, hoje ele é sócio de Guile no Coletivo de Arquitetos

“Conheci o Guile na sala de aula e nosso convívio rapidamente se estendeu para fora dela – de tão amigos, montamos uma república pra dividirmos as despesas de aluguel. Nossa parceria é boa porque temos talentos complementares – ele gosta mais de urbanismo, e eu, dos projetos residenciais e comerciais. Por isso, assim que ele voltou de Barcelona, decidimos montar o Coletivo. Nossa vontade de empreender nasceu na faculdade, queríamos colocar em prática tudo que aprendíamos.”

Marcelo Aflalo Arquiteto e professor da FAAP, foi orientador do Guile no TCC e, desde então, trabalham juntos

“Tive o Guile como aluno duas vezes: em uma disciplina ligada à comunicação visual e depois como orientando. Para mim – e também para o Guile –, arquitetura é mais do que o projeto e a construção: é criação de identidade. Acho que esse pensamento o ajudou a perceber o quanto poderia inovar nessa área. Atualmente, desenvolvemos juntos um projeto de criação de material pedagógico, que resume bem nossa ideia da arquitetura. É bacana trabalhar com um antigo aluno e ver que, hoje, temos uma troca profissional muito rica.”

Guilherme Estefam Formado na FAAP, ele é sócio da Fakiani Estefam Incorporadora e parceiro de Guile

“A gente se conheceu no primeiro dia de aula e, desde então, somos amigos. Sempre achei Guile talentoso, com o dom para a arquitetura. Gosto de trabalhar com ele por causa dessa visão mais ampla da nossa profissão, pensando na cidade e no bem-estar. Trabalhamos juntos há mais de dez anos. A FAAP teve papel importante nisso, já que privilegiava trabalhos coletivos, com interação entre as disciplinas.”

Ernani Peruzzo Formado em Arquitetura pela FAAP, presta consultoria de sustentabilidade para o escritório do Guile

“Fomos contemporâneos na FAAP – eu entrei um ano antes dele no curso de Arquitetura –, e nos aproximamos mais em Barcelona, pois ele morava lá na mesma época em que fui fazer meu mestrado em sustentabilidade. É nessa área, inclusive, que trabalhamos juntos hoje. Minha empresa cuida de toda a parte de certificações e consultoria no assunto para o Coletivo. Nossa parceria é forte porque gostamos de pensar além da planta, além da construção.”

Adriano Bogalhão Arquiteto da Castan Imóveis e Arquitetura, o ex-colega presta consultoria para Guile

“Fomos colegas de classe na FAAP e a afinidade logo apareceu. Hoje eu trabalho com licenciamento, a parte mais burocrática da arquitetura, e cuido dessa parte como consultor para os clientes do Guile, como a documentação e aprovação dos projetos na Prefeitura.”