Além de ser a coordenadora administrativa do Núcleo de Cultura e Extensão, ela conhece também a FAAP como estudante

Quando tinha 21 anos, a paulistana Gisleine Ataulo trancou a Faculdade de Nutrição, arrumou as malas e viajou para o Japão para trabalhar como bailarina profissional. Depois de oito anos se apresentando pelo país com a companhia Art Promocion, ela decidiu voltar para casa. Em pouco tempo, conseguiu emprego como auxiliar administrativa na central de atendimento ao aluno da FAAP. E de funcionária logo se tornou aluna. “Não tem como conviver diariamente com tudo que a faculdade oferece e não sentir vontade de voltar a estudar”, diz. Foi assim que decidiu prestar vestibular para Artes Plásticas. “Foi uma maneira de continuar lidando com assuntos que sempre me fascinaram, como música, dança, pintura”, diz. Durante o curso, ela se dividia entre o trabalho na Fundação e os livros.

Em 2008, assumiu a coordenadoria administrativa do Núcleo de Cultura, responsável pelos cursos livres da instituição. Para seguir com os estudos e se especializar na área, emendou uma pós em História da Arte na FAAP. “É muito bacana rever e me aprofundar nos assuntos que estudei na graduação. Há oito anos, tínhamos 25 cursos. Hoje são mais de cem”, comemora. Desde janeiro, Gisleine ganhou um novo desafio: todos os cursos de extensão da Fundação também passaram a integrar o Núcleo. Agora, além dos cursos livres, voltados para áreas de comunicação e artes, ela também é responsável pelos de Direito, Economia, Engenharia e Administração. “Já comecei a ler sobre gestão de obras e legislação. E estou adorando, sabia?”