Exposição no Museu de Arte Brasileira da FAAP celebra a carreira do artista nipo-brasileiro Yutaka Toyota

Quando desembarcou no Brasil vindo do Japão, em 1960, o então jovem artista Yutaka Toyota visitou um tio que vivia no interior do estado de São Paulo. Lá, avistou um horizonte bastante amplo, como nunca havia visto em seu país. “Em cima, um céu profundamente azul, sem nenhum branco de nuvem; embaixo, uma plantação infinita de cana-de-açúcar, verde de uma ponta a outra. Era como se eu fosse engolido por aquela imensidão, e, então, senti o ‘espaço cósmico’. Essas sensações me fizeram dedicar minha vida a esse tema”, lembra Toyota, hoje com 87 anos. Tal entrega deu origem a milhares de desenhos, pinturas, instalações e, principalmente, a esculturas de distintos tamanhos. Cerca de 80 delas, feitas em sua maioria de aço – incluindo a recriação da instalação imersiva Quarto escuro, presente na 10a Bienal de Arte de São Paulo, e obras premiadas no Panorama do Museu de Arte Moderna de São Paulo, nos anos 70 –, puderam ser vistas na exposição Toyota – O ritmo do espaço, no Museu de Arte Brasileira da FAAP. “Toyota faz parte do grupo de artistas que nos anos 60 e 70 decretou o fim da pintura de cavalete e da escultura figurativa, convidando o público a participar de novas experiências estéticas, interativas e sensoriais. A exposição aponta esse pioneirismo”, diz a curadora Denise Mattar. “Seu trabalho é único, pois poucos escultores brasileiros dominam a escala da escultura de grandes dimensões como ele”, complementa. O artista criou uma obra de quase cinco metros de altura especialmente para a mostra. “Toyota tem uma forte ligação com a FAAP. Na década de 80, a instituição comprou oito esculturas suas, entre elas a instalada na Praça do Sol, a que liga os prédios 4 e 5, e a peça central do Jardim das Esculturas’’, conta Denise. Toyota faz coro. “A FAAP é uma instituição educacional e cultural com uma carga histórica muito rica e bastante importante para São Paulo. Ter obras ali me deixa lisonjeado”, diz. ‘’Espero que elas possam integrar o cotidiano dos estudantes como inspiração ao sonho e objetivo de cada um e que meu labor se torne um incentivo ao futuro da educação de artes.”

A FAAP é uma instituição educacional e cultural com uma carga histórica muito rica e bastante importante para São Paulo. Ter obras ali me deixa lisonjeado

Yutaka Toyota, artista plástico