A geração dos nativos digitais, caracterizada por nascer com um celular nas mãos e respirar redes sociais, vem chegando ao longo dos últimos anos nos campi universitários espalhados pelo mundo.

Essa nova geração, com suas idiossincrasias, vem impondo mudanças nos processos de ensino e aprendizagem. É nesse contexto que a “gamificação”, ou “gamification”, ganhou espaço, transformando os games em uma das alternativas ao processo tradicional de transmissão de conteúdo utilizado por professores e faculdades.

Os jogos, que antigamente eram vistos de forma negativa por pais e educadores, passaram a ser ferramentas de ensino que prendem a atenção dessa nova geração, estimulando-os por meio da competição e/ou do alcance de objetivos. Nesse cenário, a interatividade possui um papel coadjuvante, fazendo com que os professores continuem exercendo papel central na educação. No entanto, não somente como detentor de conhecimento, mas como mediador, que deve, juntamente com o recurso tecnológico, estimular os alunos a superar desafios e, assim, conquistar recompensas.

Para saber mais sobre o processo de Gamificação, seus impactos e suas vantagens leia o texto do Estadão.