Coordenadora pedagógica do Departamento de Internacionalização e idiomas da FAAP, a professora conta sobre a experiência de conviver com alunos estrangeiros

Silvia Burim brincava de ser professora desde criança. Sempre que assistia aos desenhos da Disney, todos em inglês, enfileirava suas bonecas e dava aulas para elas sobre o que tinha visto nos filmes. A vontade de ensinar cresceu com ela e Silvia fez da sala de aula seu lugar preferido. Há 15 anos, atua como coordenadora pedagógica do departamento de Internacionalização e Idiomas da FAAP, que recebeu o convite depois que um professor da casa se encantou por um de seus livros didáticos – Silvia é autora de dez, seis deles dedicados ao ensino de português para estrangeiros. 

Na FAAP, ela fica responsável por acolher os estudantes. “Gosto de organizar atividades que promovam a interação entre os alunos brasileiros e estrangeiros, como visitas a museus, aulas de culinária, cine-pipoca”, explica. Sem contar que fica mais fácil aprender a língua quando os alunos se engajam em projetos culturais. “Nesses eventos, descobrirmos seus talentos. Já tivemos dançarinos coreanos, rappers franceses, pianista japonesa”, lista. 

Depois de tantos anos, e de entrar em contato com alunos das mais diversas nacionalidades, Silvia perde a conta das passagens mais marcantes. “Lembro da Nicole, alemã que fez um dueto com o Seu Jorge, no programa Altas horas; de um turco que encontrou uma colega em Istambul e fez questão de mandar um abraço; um chinês que dizia achar meus olhos expressivos… São muitas histórias.” E completa: “Eles impactam nossa vida e nós transformamos a deles, que, em pouco tempo, já se comunicam com fluência. Eu me orgulho muito do trabalho da minha equipe!”