O texto não nasce do nada. É sempre algo que desejamos explanar aos outros

Para escrever bem não há fórmula. Há que dominar o idioma, munir-se de conhecimento, aflorar os sentidos, apropriar-se do assunto sobre o qual se deseja escrever e deixar fluir. A leitura de bons escritores serve de alimento para o trabalho literário e o estudo da gramática é a munição para um combate. Quanto maior for o nosso conhecimento da gramática, tanto mais munidos nos encontraremos para a luta. Se a gramática estuda as palavras para a expressão correta do pensamento, a estilística mira a beleza. Se a gramática tende a fixar-se em moldes uniformes de expressão, a estilística não tolhe a liberdade, mas impulsiona para as combinações estéticas das palavras. Se aquela é geral, esta é fantástica. Então na gramática, no conhecimento peculiar da língua materna, encontramos a base para a construção do texto, para a tessitura, para o entrelaçamento da ideia. O texto não nasce do nada. É sempre algo que desejamos explanar aos outros. A educação, a formação e a experiência sempre serão aliadas.

Graziela Bonato Lião é professora de Língua Portuguesa do Colégio FAAP