Quanto maior o entendimento sobre as causas e os efeitos da crise, menores as possibilidades de repeti-las

Longe de serem exceção, as crises são normais em todas as economias. Apesar de constituírem lugares-comuns, elas são entidades metódicas que se parecem um pouco com furacões: operam de forma relativamente previsíveis. Entender os princípios pelos quais essas tempestades econômicas podem ser rastreadas e monitoradas e ainda, dentro de certos limites razoáveis, previstas e até evitadas é primordial. Quanto maior o entendimento sobre as causas e os efeitos da crise, os erros e acertos no seu combate e na sua reversão, menores as possibilidades de repeti-las. Nesse sentido, analisar as crises econômicas passadas permite avanços não apenas no conhecimento econômico, mas também do amadurecimento institucional, da administração pública, e do processo de tomada de decisão, fatores estes que devem ser sempre recordados em momentos como o que enfrentamos nos dias atuais.

Bruno Alvarez é coordenador do curso de Administração