Somos uma era estéril. O futuro pouco dará atenção para nós e nossos direitos e avanços

Cada vez mais terá menos jovens no mundo. Principalmente em áreas com melhores condições materiais de vida (que sempre implicam melhores condições em quase tudo). Quanto mais as mulheres atuam no mercado e na atividade pública, quanto mais os homens tomam consciência disso, menos ambos querem assumir filhos e casamento com ônus financeiro. A melhoria das condições materiais de vida gera individualismo, narcisismo e projetos autocentrados. Mesmo que jovens riquinhos brinquem de solidários e colaborativos, o fazem com o mesmo afeto e intenção com que comem alimentação orgânica e andam de bike: a velha vaidade esterilizante da alma. Somos uma era estéril. O futuro pouco dará atenção para nós e nossos “direitos” e “avanços”. Prestará atenção sim em quando optamos por não ter filhos, e sim cachorros. Portanto, todo negócio com foco em jovens terá que se reinventar. Quanto antes seus gestores prestarem atenção na infertilidade das mulheres emancipadas, melhor.

Luiz Felipe Pondé é vice-diretor e coordenador do curso de Comunicação e Marketing